Agapornis


 Informação sobre Agapornis (imagens das minhas aves em baixo)

Origem
Este periquito tem origem nas florestas tropicais de África, podendo ser encontrado desde a costa atlântica até à costa do Índico.

Hábitos
Colorido, divertido e brincalhão são os adjectivos que esta ave mais recebe. No entanto, pode não ser sempre assim.
Estas aves devem viver sempre aos pares (casais). Um elemento apenas torna-se triste e reservado numa primeira fase, e numa fase posterior pode vir a morrer de tristeza.

Essa necessidade de viver aos pares leva a que sejam conhecidos por Inseparáveis ou Aves do Amor. Já o contrário não é verdade, isto é, a presença de outros indivíduos não os incomoda.
Se tiver espaço, pode juntar vários casais, e pode fazê-lo com toda a segurança, que eles vão adorar, já que no estado selvagem vivem em grupos constituídos por muitos casais.

Não é um pássaro falante, como Araras, Cacatuas e Papagaios cinzentos, mas aprende a balbuciar algumas palavras curtas e sons humanos.
Quando o pássaro é adquirido adulto pode mostrar-se assustadiço no primeiro contacto. Mas com bastante paciência e amor, podemos acostumar o pássaro à nossa presença e, pelo menos, fazer com que não se assuste e não se debata tanto na gaiola quando chegamos perto.

Variedade
Existem nove espécies de Agapornis. No entanto, as mais vulgares são quatro: Fischer, Personata, Nigrigenis e Roseicollis. Esta última é, sem dúvida, a mais popular e a que com mais facilidade encontra no mercado.

Alimentação
Para alimentar estas aves, pode comprar a mistura para periquitos grandes, existente nas casas de alimentação para animais, ou mesmo nas grandes superfícies.
Mude todos os dias a comida e a água.
Pode dar, como suplemento, alguns legumes. Estes animais adoram, por exemplo, agrião e espinafre, mas antes de lhos dar, lave-os bem em água corrente. Alguns Agapornis gostam de cenoura, experimente.

Outro alimento que estas aves não dispensam é a fruta, vá variando e tire sempre os caroços, alguns criam dificuldades digestivas desagradáveis, outras podem mesmo tornar-se letais.


Dimorfismo sexual
Nos Agapornis é relativamente difícil. À excepção de A. cana, A. pullaria, A. taranta, que oferecem um dimorfismo seguro, as demais espécies só podem ser sexadas observando-se o espaçamento entre os ossos pélvicos: no macho, os ossos encontram-se bem unidos. Nas fêmeas, os ossos oferecem um espaçamento tal que conseguimos colocar nosso dedo indicador entre eles.
Fêmea
Macho
O que torna ainda mais difícil a sexagem é que machos convivem bem entre si, assim como fêmeas. Esse comportamento pode nos enganar!
O método mais seguro é fazer exame de sangue, para comprovação de genótipo, mas infelizmente ainda é um método caro.
Colocando dois pássaros na gaiola, pode-se encontrar por base o seguinte: se há a feitura do ninho mas a suposta fêmea não colocar, pode se tratar de um macho. Mas o mais provável neste caso é que o ninho não seja confeccionado. Mas atenção: podemos ter aqui dois casos. Primeiro, uma fêmea estéril; segundo, um macho experiente que confeccione bem o ninho. Se notar que há postura de muitos ovos num certo período de tempo, então provavelmente trate-se de duas fêmeas. Estas põem um ovo por dia.

Reproduçao
Os filhotes tem cores mais esvaecidas que as do adulto. Geralmente, na primeira muda já adquirem coloração de adulto. O aconselhável é que a reprodução seja feita numa gaiola, contendo apenas um casal. Uma gaiola com dimensões aproximadas de 70x30x40 e um ninho de 20x17x17 servem bem ao nosso propósito. Se deixarmos os pássaros em ambiente comunitário, teremos dois problemas: a formação de casais indesejados e disputas pelo mesmo ninho.
O cortejo do macho é simples, seguido da cópula. A fêmea coloca os seus ovos geralmente de madrugada, bem ao amanhecer. Cada ninhada pode ser composta por até 6 filhotes, mas o mais comum são 4. Os ovos demoram 18 dias para a eclosão mas, por segurança devemos aguardar até o 21º dia. Não é necessário que separemos os ovos, a fim de eclodirem simultaneamente.
A fêmea de Agapornis é habituada a cuidar bem de filhotes com diferentes idades. Na fase reprodutiva é aconselhável que a alimentação seja reforçada, acrescentando-se um pouco mais de aveia à dieta, aumentando-se a variedade de frutas, legumes e verduras, e acrescentando-se suplemento vitamínico na água ou ração e papa de ovo regularmente.
O melhor ambiente para os Agapornis é um ambiente sossegado. O sol pela manhã (até 11h00) é fundamental. É importante que sejam manejados sempre, para que se habituem à presença do dono, principalmente na época reprodutiva. Isto porque, caso precisemos mexer no ninho para verificar algo, não corramos o risco de a fêmea abandonar o choco. 

Tamanho
Tamanho médio em adulto: 15 cm.
Peso médio em adulto: 50g.


Fonte: www.naturezactiva.com 























Sem comentários:

Enviar um comentário